Ciclone tropical Eloise devasta Moçambique

O ciclone tropical Eloise atingiu a cidade costeira de Beira, em Moçambique, no início desta manhã. Em seguida, seguirá para a África do Sul e atingirá partes dos distritos de Mopani e Vhembe no Limpopo.

Ciclone tropical eloisa
O Serviço de Meteorologia local alertou sobre o risco iminente de enchentes, danos generalizados, falta de energia elétrica e abastecimento de água potável em partes de Moçambique.

O ciclone tropical, nomeado Eloise, começou como uma tempestade tropical em Madagascar, onde já causou destruição e pelo menos uma morte, e não parou de crescer. Agora é identificado como ciclone tropical categoria 2. De acordo com o serviço meteorológico local, as partes baixas e norte de Limpopo, Mpumalanga e partes norte de KwaZulu-Natal podem ser afetadas pelas fortes chuvas que podem continuar até segunda-feira.

O ciclone trouxe ventos com força de furacão severo, chuvas fortes e o risco de inundações costeiras, com impactos humanitários generalizados.

A South African Weather Services está a monitorizar o ciclone tropical Eloise, que se encontra atualmente na parte central do canal de Moçambique. Eloise está se movendo na direção sudoeste a uma velocidade de 24km/h. Os ventos associados ao sistema estão a atingir os 150km/h e espera-se que se intensifiquem.

Enquanto isso, a Eskom (serviço público de eletricidade da África do Sul) diz que implementou medidas para lidar com a tempestade tropical. Isso segue relatos de que a tempestade pode afetar o fornecimento de eletricidade na África do Sul. Prevê-se que Eloise cruze linhas de transmissão através das quais cerca de mil megawatts de eletricidade são importados de Cahorra Bassa em Moçambique para a África do Sul.

Chuvas fortes e tempestades também devem atingir uma grande área de Mpumalanga, onde muitas das usinas de Eskom estão localizadas. Lephalale, que abriga duas usinas de energia, pode ser afetada. A empresa de energia diz que está trabalhando com o Centro Nacional de Gestão de Desastres, bem como Centros Provinciais de Gestão de Desastres em Limpopo, Mpumalanga e KwaZulu-Natal.

Eloise terá um impacto significativo nas chuvas. A expectativa é de 200 a 300 mm em 24h, 500 mm em 48h. A quantidade mais elevada deve ser no norte da Beira (foz do Zambeze). Já choveu fortemente na Bacia do Zambeze. Zimbábue, Botswana e Norte da África do Sul também correm o risco de serem afetados. Já houve chuvas significativas nas últimas semanas em Botswana (as barragens estão cheias). O Botswana e o Zimbabué tiveram um início muito ativo da sua estação chuvosa, devido ao evento La Niña.

Resiliência

A OMM está apoiando os países da região para fortalecer a resiliência e a adaptação às mudanças climáticas. Os países do sudoeste do Oceano Índico lançaram um novo projeto de cinco anos para melhorar a previsão operacional e os sistemas de alerta precoce multirriscos em uma região que está exposta às mudanças climáticas, aumento do nível do mar e condições meteorológicas extremas e sofreu um aumento na frequência e intensidade dos choques relacionados ao clima nas últimas décadas.

Após a devastadora temporada de ciclones tropicais de 2019, uma missão de investigação da OMM relatou as necessidades imediatas de reconstrução do INAM, o Instituto de Meteorologia de Moçambique. O Secretário-Geral da OMM apresentou este relatório na conferência de Avaliação das Necessidades Pós-Desastre (PDNA) destacando que o equipamento era necessário para restabelecer e atualizar a rede de observações e a plataforma de previsão do INAM para dar suporte a alertas precoces baseados em impacto.