O que é o efeito Foehn?

Já ouviu falar sobre vento Foehn, Zonda ou Chinhook? Aprenda mais sobre o efeito Foehn, e como o relevo pode influenciar o tempo e clima de regiões montanhosas.

Carolina Barnez Carolina Barnez 09 Fev. 2020 - 12:20 UTC

O efeito Föhn ou Foehn ocorre em regiões de cadeias montanhosas, onde a corrente de vento flui em uma direção específica. O termo Föhn, em alemão, significa secador de cabelo, por isso, o vento Föhn é um vento quente e seco que "desce" a montanha. Este nome é originário dos Alpes Suíços, onde o fenômeno foi primeiro descrito, mas em outras regiões do mundo o vento gerado pelo efeito Foehn pode ganhar outros nomes, como Zonda (Andes Central), Chinhook (América do Norte) ou Ventos Helm (Inglaterra).

O ar levado pelo vento, é forçado a "subir" a barreira montanhosa. A mudança de altitude (altura em relação ao chão) faz com que ele resfrie, pois a diminuição da pressão atmosférica faz com que o ar se expanda. Com a queda de temperatura, a água em forma gasosa (umidade) contida no ar se transforma em água líquida e forma chuva. Durante a descida do ar, que continua sendo transportado pelo vento, também ocorre mudança de altitude, porém com o efeito inverso: a pressão aumenta conforme descemos e a temperatura aumenta por compressão da parcela de ar.

O ar que desce pelo outro lado da montanha tem maior temperatura do que o ar antes de subir a montanha, mesmo estando na mesma altitude. Isso porque o ar à sotavento da montanha (que desceu), perdeu sua umidade. O ar mais seco fica mais quente que o ar úmido em uma mesma altitude, pois a umidade reduz a temperatura do ar. Por essa razão, o ar seco e quente que desce a montanha foi descrito como um vento "secador de cabelo".

Efeito Foehn na América do Sul e na Antártica

Esse processo pode ocorre em qualquer região montanhosa, mas é mais típico onde o vento flui em direções específicas por mais tempo e mais intenso quanto maior é a altura do obstáculo. As regiões a sotavento das montanhas acabam apresentando clima seco e mais quente devido a esse efeito. É o que ocorre na região norte da Argentina, por exemplo, quando o vento que traz umidade do Pacífico cruza os Andes de oeste para leste. O ar mais seco e quente que desce a montanha do lado leste, conhecido por Zonda, acelera o processo de evaporação da neve e pode causar avalanches e deslizamentos de terra perigosos. Esse efeito também tem um efeito importante na Antártica, onde o vento quente montanha a baixo, do interior do continente em direção ao oceano, promove derretimento e acelera o desprendimento das plataformas de gelo.

Publicidade