Mudança do clima pode colocar em risco os portos do Brasil

Importante estudo revelação que ventos fortes e aumento no nível dos oceanos são as principais classificações climáticas e impactos da mudança do clima em 21 portos no Brasil.

Cátia Braga Cátia Braga 5 min
Mudança Climatica; Porto de Santos
Ventos fortes e aumento no nível dos oceanos são as principais ameaças climáticas e impactos da mudança do clima em portos no Brasil.

Que as mudanças climáticas representam uma ameaça real para a nossa vida já é evidente e a COP 26 , Conferência das partes número 26, que aconteceu em Glasgow, na Escócia, neste mês, provocou os países para antecipar suas metas para neutralizar as anteriores de CO2. O governador aqui do Rio Grande do Sul, por exemplo, assume o compromisso de trabalhar para neutralizar como levada de carbono do Estado em 50% até 2030 e agir para neutralizar como levada até 2050.

O assunto é tão grave que o jornal Gardian, da Inglaterra, resolveu mudar a nomenclatura quando falam de mudança do clima. Os editores já passaram a usar expressões de maior impacto como EMERGÊNCIA, CRISE ou COLAPSO CLIMÁTICO.

Emergência, crise e colapso climáticos são as palavras mais usadas para denominar a mudança do clima

E realmente as notícias que chegam confirmam essa necessidade. A Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), que é vinculado ao Ministério da Infraestrutura, e a agência de fomento alemã GIZ (Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit) fez um estudo sobre as principais mudanças climáticas e impactos da mudança do clima em 21 portos públicos brasileiros . As agências desejam a adaptação e mitigação das mudanças climáticas nessas infraestruturas através de políticas públicas.

O nível dos oceanos e eventos extremos são as principais definições para 21 portos do Brasil.

A importância do setor portuário para o crescimento econômico do Brasil é inquestionável. O comércio internacional brasileiro é realizado via marítima e isso relata também no desenvolvimento socioeconômico

Vendavais causam impactos nos portos

O estudo observou que os ventos fortes, vendavais, são as principais delimitações na zona portuária. Ventos fortes fazem com que os trabalhadores parem suas atividades por causar instabilidade em muitos equipamentos e se há rajadas de vento muito fortes há possibilidade de fechar o acesso a esses portos.

Aqui no Rio Grande do Sul temos o Porto de Rio Grande, na cidade do Rio Grande, e por ser no extremo sul do país está mais sujeito a entrada dos fenômenos atmosféricos extremos. Os portos em Imbituba (SC), Santos (SP), Recife (PE), Salvador (BA), Paranaguá (PR) e Itaguaí (RJ) são os primeiros que serão afetados, segundo pesquisadores.

Os ciclones extratropicais que tanto se formam no nosso litoral causam impacto com seus ventos fortes e as instalações portuárias são afetadas. Sabemos que as mudanças no clima aumentam os eventos severos como tempestades, ressacas e também aumento do nível médio do mar.

Projeções para 2030

O aumento do nível do mar foi avaliado como alto ou muito alto para 11 portos em uma projeção para 2030, de acordo com o estudo e o maior complexo portuário da América Latina , o famoso Porto de Santos (SP), foi citado.

O estudo revelou que a maioria dos portos não tem um monitoramento meteorológico contínuo adequado para evitar como inundações, a ampliação do processo de dragagem e melhorias diversas na qualidade de acessos ao terminal, adequação das estruturas para os novos padrões climáticos são das medidas de adaptação às mudanças do clima sugeridas pelos pesquisadores.

A redução do risco climático envolve a adoção de medidas de adaptação.

Como consequências das nossas ações, ações antropogênicas, estão claras e depende de nós, do poder público e empresas darem um basta para tantas permissões. A redução do risco climático envolve a adoção de medidas de adaptação. Os pesquisadores deixam claro no estudo que " os riscos climáticos aos quais o setor portuário está ou haverá exposto ainda são embrionários e sem informações robustas sobre a eficácia das medidas de adaptação, evidenciando a empresa do estudo ".