tempo.com

Dilúvios bíblicos em Marte? Rover descobre sinais de grandes inundações!

O rover chinês Zhurong utilizou um radar para analisar o solo marciano e descobriu evidências de dois dilúvios catastróficos que ocorreram bilhões de anos atrás, quando ainda havia água no planeta vermelho.

No passado, o planeta Marte pode ter abrigado oceanos imensos. Sinais de pelo menos dois dilúvios catastróficos foram encontrados no planeta vermelho pelo rover chinês Zhurong.

Zhurong, um rover chinês que está conduzindo estudos e análises em Marte, encontrou evidências de que duas grandes inundações podem ter moldado parte da superfície do planeta vermelho.

Queremos saber o que está acontecendo abaixo da superfície - Liu Yang, do Centro Nacional de Ciências Espaciais em Pequim.

A análise, publicada na Nature, é o primeiro resultado obtido através do radar de Zhurong, um instrumento capaz de sondar a composição do solo até 100 metros abaixo da superfície. O robô vem explorando o planeta desde que pousou, em Maio de 2021.

Dilúvios em Marte?
O Rover Chinês Zhurong já viajou 1921 metros e coletou 1480 gigabytes de dados científicos brutos.

Um oceano em Marte, é possível?

A história do local de pouso de Zhurong, conhecida como Utopia Planitia e composta por vastas planícies no hemisfério norte de Marte, intrigou os cientistas. Observações do espaço identificaram depósitos sedimentares que sugerem que a região já foi um oceano no passado. Também há características geológicas que lembram estruturas formadas por água ou gelo.

Além disso, em maio, os pesquisadores analisaram imagens em infravermelho do local de pouso obtidas pela sonda chinesa Tianwen-1, e encontraram traços de minerais hidratados que podem ter se formado através do derretimento de gelo, ou quando água subterrânea subiu através das rochas.

Mas afinal, como o rover descobriu dilúvios em Marte?

Os autores do estudo analisaram dados de baixa frequência obtidos entre 25 de maio e 6 de setembro em mais de 1100 metros de terreno, enquanto o rover viajava ao sul do seu local de pouso. Os sinais de radar refletem os materiais abaixo da superfície, revelando o tamanho de seus grãos e sua capacidade de manter carga elétrica.

O radar do rover Zhurong utiliza ondas de alta frequência que podem chegar a uma profundidade de até 10 metros; e ondas de baixa frequência que podem atingir até 100 metros.

O radar não encontrou nenhuma evidência de água líquida, mas detectou duas camadas horizontais com características peculiares. Padrões de reflexão dos sinais indicam a presença de pedregulhos maiores repousando na base das camadas e rochas menores acima. Este padrão é geralmente o resultado de inundações.

Dilúvios em Marte?
Ilustração do processo de formação das camadas geológicas após dois dilúvios ocorridos no mesmo local. (imagem: Li, C. et al., Nature, 2022)

A camada mais profunda e antiga é, muito provavelmente, o resultado de uma inundação catastrófica que levou sedimentos para o local a mais de 3 bilhões de anos atrás. Acredita-se que, nesta época, havia uma quantidade significativa de água em Marte.

A camada mais recente e superficial pode ser sido criada por outra inundação menor a cerca de 1,6 bilhão de anos atrás, época em que houve uma grande atividade glacial no planeta vermelho.

Claro, as descobertas não são certeiras. Não pode ser descartada a possibilidade de que estas estranhas camadas tenham sido produzidas por erupções vulcânicas e camadas de lava. Os dados de radar são excelentes para indicar a geometria do material, mas não para identificar sua composição.

De qualquer jeito, este é somente o primeiro passo. Conforme o Rover continua atravessando o planeta vermelho, mais resultados serão colhidos e mais respostas serão descobertas. E aos poucos, quem sabe, conseguiremos entender a misteriosa história por trás de Marte.