tempo.com

Bilhões de objetos celestes revelados por gigantesca imagem da Via Láctea

Astrônomos acabaram de divulgar um mapeamento gigantesco da nossa galáxia, a Via Láctea. O novo conjunto de dados contém impressionantes 3,32 bilhões de objetos celestes, o maior catálogo do tipo já construído.

Bilhões de objetos celestes revelados por gigantesca imagem da Via Láctea
Um novo mapeamento da Via Láctea revelou, em uma imagem gigantesca, 3,32 bilhões de objetos celestes. Além de lindo, é o maior catálogo do tipo já feito. (imagem: NOIRLab)

A Via Láctea contém centenas de bilhões de estrelas e enormes nuvens escuras de poeira e gás. Imaginar e catalogar esses objetos para estudo é uma tarefa quase que impossível - Mas um conjunto de dados astronômicos recém-lançado foi capaz de mapear parte destes objetos com detalhamento sem precedentes.

O levantamento, conhecido como o Segundo Dark Energy Camera Plane Survey (DECaPS2), foi obtido através de um instrumento construído pelo Departamento de Energia dos Estados Unidos e localizado no Observatório Interamericano Cerro Tololo, no Chile.

A pesquisa, liderada pelo NOIRLab, levou dois anos para ser concluída e produziu mais de 10 terabytes de dados de 21.400 exposições individuais. O esforço identificou aproximadamente 3,32 bilhões de objetos, sem dúvida o maior catálogo desse tipo já feito.

A maioria das estrelas e da poeira na Via Láctea está localizada em seu disco – a faixa brilhante que se estende pela imagem. Embora essa gigantesca quantidade de objetos produza belas imagens, também torna observar o plano galáctico um tremendo desafio.

As manchas escuras de poeira visíveis na imagem absorvem a luz das estrelas e apagam completamente as mais fracas. Aa luz das nebulosas difusas interfere em qualquer tentativa de medir o brilho de objetos individuais. Além disso, estrelas podem se sobrepor na imagem e dificultar sua separação.

Por isso, os astrônomos tiveram de usar comprimentos de onda diferentes, como o infravermelho próximo, além de um processamento de dados específico que permite prever melhor o fundo por trás de cada estrela. Isso ajudou a mitigar os efeitos de nebulosas e campos estelares lotados, garantindo que o catálogo final fosse o mais preciso o possível.

Bilhões de objetos celestes revelados por gigantesca imagem da Via Láctea
Zoom mostra a quantidade gigantesca de objetos observáveis no catálogo. Uma das razões para o sucesso do DECaPS2 foi processar os dados de maneira a torná-los mais precisos. (imagem: NOIRLab)

Quando combinado com imagens anteriores do Pan-STARRS 1, o DECaPS2 completa uma visão panorâmica de 360 graus do disco da Via Láctea e ainda alcança estrelas muito mais fracas. É possível até mesmo mapear a estrutura tridimensional da galáxia, com um nível de detalhes sem precedentes.

É um feito técnico grandioso. Imagine tirar uma foto de três bilhões de pessoas, onde cada indivíduo ainda pode ser reconhecido! - Debra Fischer, NSF.

O conjunto de dados DECaPS2 está disponível gratuitamente para toda a comunidade científica e é hospedado pelo Astro Data Lab do NOIRLab, que faz parte do Community Science and Data Center.

Isso significa que astrônomos vão se debruçar e utilizar este retrato detalhado da Via Láctea durante décadas para estudos e pesquisas. Este é um exemplo fantástico do que as parcerias entre agências governamentais podem alcançar pela ciência mundial.