tempo.com

Como é viver na cidade mais alta do mundo

A cidade peruana de La Rinconada, com mais de 5000 metros de altura, é o maior assentamento permanente do mundo. Quase sem serviços, a vida é difícil e complexa. Saiba mais como é viver lá!

Rinconada
Em La Rinconada, não apenas falta oxigênio. A cidade não possui serviços básicos e foi transformada em um grande aterro sanitário.

A vida em grandes alturas não é nada fácil. E mais, se a cidade em que você mora estiver a quase 5300 metros acima do nível do mar. É o caso de La Rinconada, considerado o maior assentamento humano permanente do mundo e está localizado na província de San Antonio de Putina, no Peru, a cerca de 600 quilômetros da fronteira com a Bolívia. Atualmente, na área vivem cerca de 50.000 pessoas.

O aumento do preço do ouro entre 2001 e 2009 fez com que a população estável crescesse fortemente. Entre todos os habitantes, menos de 17.000 são considerados urbanos, e sua proximidade com uma importante mina de ouro significa que esta cidade é mantida a uma altura em que o ar para muitos humanos seria quase irrespirável devido à falta de oxigênio.

Algumas considerações de La Rinconada, que o tornam tão especial, e que demonstram a complexidade da vida naquele local: não possui água corrente, esgoto ou coleta e tratamento de resíduos. O lixo humano também não é processado e muitas casas não têm vidro em suas janelas, apesar do clima extremo.

Vivendo em clima extremo

A área urbana de La Rinconada fica na porção oeste da nevada Ananea Grande. Seu clima é realmente extremo por conta da altura. A temperatura média anual mal atinge 1,3 °C, com pouco mais de 700 milímetros de precipitação por ano. A maioria das noites durante o ano registra geadas intensas. A estação mais chuvosa com queda de neve frequente é o verão, enquanto o inverno é muito seco e com frio extremo.

A qualidade de vida das pessoas é muito baixa, principalmente devido à pequena quantidade de oxigênio no ar, o que torna muito comum o mal-estar da altitude. Uma pessoa que chega à cidade precisa de cerca de 30 dias para se adaptar. A isso se somam as más condições de trabalho na mina de ouro, tornando as expectativas de vida muito mais baixas do que nas cidades em altitudes mais baixas.

De acordo com o EarthObservatory, a cidade começou como um enclave de mineração há cerca de 40 anos e, embora tenha sido transformada em cidade, nunca foram instalados serviços sanitários básicos. No começo, os mineiros podiam passar até trinta dias seguidos na mina para coletar o máximo de ouro possível. Eles não receberam salário enquanto estavam na mina, mas também não tinham restrições quanto à quantidade de ouro que podiam obter. As mulheres não podem entrar na mina, por isso é comum vê-las procurando entre as pedras do lado de fora.

Tudo por um pouco de ouro

O aumento do preço do ouro durante os anos 2000 fez a população crescer quase 235%. Uma conquista desse crescimento é que a eletricidade chegará à cidade. Hoje, os habitantes são obrigados a enterrar ou queimar resíduos fora da cidade, o que aumenta a poluição do local e remove mais oxigênio do ar.

Muitos pesquisadores chegam à cidade para estudar os efeitos a curto e longo prazo das condições de falta de oxigênio nos seres humanos. O risco de CMS ou síndrome da doença de montanha causa tonturas, dores de cabeça, zumbidos, palpitações e até insuficiência cardíaca e, em alguns casos, morte. Os pesquisadores estimam que uma em cada quatro pessoas em La Rinconada sofre de CMS.

Rinconada Peru
Nas imagens de satélite, você pode ver a paisagem da cidade impossível.

As ruas estão sempre cobertas de lama, uma mistura de neve derretida, água das pias, esgoto e mercúrio dos rejeitos de mineração. As fezes da população são jogadas diretamente na rua. E o lixo cobre tudo, já que a cidade é como um grande depósito de lixo. Essa mesma nota indicava que a falta de serviços, exceto transporte e telefonia móvel, torna o local uma solução inviável.

Existem alguns hotéis na cidade com quartos com cama, cobertores para suportar o frio da noite, sem aquecimento, sem janelas e com pia comum e sem chuveiro. Os chuveiros em toda a cidade são públicos. O que tem de sobre em La Rinconada são bares e bordéis. A taxa de criminalidade é enorme porque não há polícia; portanto, assassinatos e desaparecimentos são muito comuns. É uma cidade sem lei. Atualmente, os mineiros trabalham 25 dias gratuitamente para o proprietário da mina e 5 para seu próprio benefício, para que nunca saibam quanto ganharão. O sistema é conhecido como "cachorreo".