Poeira da Ásia está proporcionando nutrientes para Califórnia

Sim, você leu corretamente… poeira asiática está proporcionando nutrientes chaves para as sequóias gigantes da Califórnia, nos Estados Unidos.

A poeira que vem de longe, por exemplo no deserto de Gorbi na Ásia está proporcionando mais nutrientes do que todos pensavam antes sobre as plantas, incluindo sequóias gigantes nas montanhas de Serra Nevada na Califórnia. É um acordo que fizeram como manisfesto, uma equipe de cientistas, entre eles alguns da Universidade de Califórnia, Riverside.

Os cientistas descubriram que a poeira do Deserto de Gobi e o Vale Central de Califórnia estão contribuindo com mais fósforo para as plantas na Serra Nevada, que a erosão da própria rocha do lugar. O fósforo é um dos elementos básicos que as plantas necessitam para sobreviver, e a Serra Nevada é considera um ecossistema limitado de fósforo.


Imagen de satélite no canal visível, onde se observa uma irrupção de poeira (dust) sobre o Pacífico Norte proveniente da Ásia em direção da costa americana.

“Nos últimso anos, foi um pouco misterioso como todas estas grandes árvores foram sostentandos neste ecossistema em muito fósforo no leito rochoso”, disse Emma Aronson, professora assistente de patologia de plantas e microbiologia em UC Riverside. “Este trabalho começou a desvendar esse mistério e mostrar que a poeira pode estar moldando este icônico ecossistema da Califórnia”.

Aroson é a co-autora de um artigo recentemente publicado pela revista Nature Communications sobre a investigação. Outros dos cientistas com vínculos de UC Riverside são co-autores: Chelsea Carey, um ex invesitgador post-doctoral no laboratório de Aroson; e Job Botthoff, um técnico de campo no centro de Biología da Conservação da Universidade.

O estudo poderá ajudar os cientistas prever os impactos da mudança climática que espera um aumento da sequía e criar mais condições desérticas em todo o mundo, possívelmente incluindo na Califórnia.

Se isto acontecer, baseando nas descobertas, os cientistas esperam que a poeira se mova muito mais pela atmosfera, e provavelmente traga fósforo e nutrientes importantes aos ecossistemas montanhosos que se encontram bem longe.

Nutrientes como o carbono, nitrogênio e fósforo regulam a distribuição da vida, a través da superficíe terrestre. Por tanto, é importante compreender as diferentes fontes de nutrientes, incluindo o leito subjacente e a poeira propagada pelo vento.

A quantificação da importância da poeira, que é sensível às mudanças do clima e o uso da terra, é importante para prever como os ecossistemas responderão ao aquecimento global e um maior uso da terra.

Pouco sabemos sobre o papel da poeira nos ecossistemas dos bosques montanhosos, como a Serra Nevada. Para mudar isto, os investigadores quantificaram a importância relativa da poeira e a rocha de abastecimento de nutrientes dos ecossistemas a través de quatro lugares de elevação crescente, de aproximadamente 400 a 3.000 m, na Serra Nevada ao este de Merced.

Depois combinaram a poeira recolhida com os dados de erosão existentes no mesmo lugar. Capturaram a poeira usando coletores de pó feitos em casa, que consistíam em caçarolas de barril antiaderentes, cheias de mármores de vidro para evitar que o pó escapasse. As caçarolas foram unidas a postes de 2 m para evitar a poeira lançado pelos investigadores, entrassem nelas.

Os investigadores estudaram as assinaturas isotópicas em vários elementos da poeira para determinar o lugar de origem do pó. Os isótopos atuam como marcas digitais para a fonte de origem.

A porcentagem da poeira asiática osciló entre 20% no promédio da elevação mais baixa, e 45% no promédio da elevação mais alta. As porcentagens foram mais altas em lugares de elevação também altos, devido que o pó normalmente viaja alto na corrente de ar e não cai ao menos que seja golpeado por um objeto, como por exemplo uma montanha.

Os investigares descubriram que a quantidade de pó proveniente das fontes do Vale Central, era maior nas elevações mais baixas, comparadas com as elevações mais altas.
Era de se esperar, porém também foram encontrados que mais poeira do Vale Central estava entrando nas elevações mais altas na estação seca, justo depois das chuvas de primavera.
“Levando em consideração que tomamos nossas medidas em 2014, no meio da seca, isto nos faz pensar que a sequía é um fator aqui”, disse Aronson.

Os investigadores acham que seus descobrimentos serão válidos para outros ecossistemas montanhosos de todo o mundo, e tem implicações para prever a resposta dos bosques às mudanças climáticas e o uso da terra.

Fonte:
Dust outpaces bedrock in nutrient supply to montane forest ecosystems
M. Aciego, C. S. Riebe, S. C. Hart, M. A. Blakowski, C. J. Carey, S. M. Aarons, N. C. Dove, J. K. Botthoff, K. W. W. Sims & E. L. Aronson
Nature Communications 8, Article number: 14800 (2017)
doi:10.1038/ncomms14800
http://www.nature.com/articles/ncomms14800

Tradução da publicação de:
tiempo.com

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *