Descobrem meninos que funcionam somente com a luz do sol

Conhecidos também como meninos solares, dois irmãos paquistaneses caem em estado totalmente vegetativo ao se pôr o sol. Essa condição de saúde rara tem intrigado todos os médicos do mundo.

Durante o dia, os meninos Shoaib (de 9 anos) e Abdul (de 13 anos) levam uma vida totalmente normal, porém quando a luz do sol se acaba, dormem entrando em um estado profundamente vegetativo. A doença já foi considerada rara pelos especialistas, onde durante a noite eles não conseguem falar, comer, abrir ou olhos ou realizar qualquer movimento básico.

meninos

Mais de 13 institutos internacionais iniciaram uma intensa pesquisa, com o intuito de conseguir uma explicação para a condição das crianças. Prestigiosos centros como o Instituto Hopkins (nos Estados Unidos) e a Clínia Mayo, fizeram parte dessa investigação.

meninos-solares1

O pai do menino, explicou aos médicos que o sol dava energia e a noite eles perdiam totalmente, por isso foram chamados de Meninos Solares. Revelou também que sua esposa e ele são primos irmãos e já haviam perdido dois dos seus filhos menores ainda bem pequenos, por problemas congênitos.

meninos-solares

Um dos médicos  afirmou a imprensa que durante os exames realizados nos meninos, consistía em deixá-los durante o dia, em um quarto totalmente escuro e informou que as crianças fizeram as atividades normais, o que levaram a descartar que houvesse alguma relação entre a luz solar e os meninos.

Outra teoria seria do 12, uma espécie de relógio biológico que possuímos nós seremos humanos, que se encarregam das mudanças biológicas quando chega a noite. Os meninos solares já realizaram mais de 200 tipos de exames, desde os mais simples até analíse de DNA.

Algumas pessoas chegaram a pensar que os meninos estavam mentindo ou possuíam algum problema psicológico, porém os médicos conseguiram diagnosticar e iniciaram um tratamento médico, onde conseguiram fazer algo insólito desde o nascimento das crianças, que andassem durante a noite. Graças a ciência moderna, está sendo possível identificar a rara doença.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *