As temperaturas globales del aire en superficie en agosto

As temperaturas de agosto estiveram por cima da média sobre a maioria das áreas terrestres e oceânicas. Mostraremos a seguir um resumem dessas temperaturas.

agosto2016_1

Veja as Anomalias da temperatura do ar para agosto 2016 de acordo com o promédio do mês para el período 1981-2010. Fonte: ERA-Interim.

As temperaturas do mês de agosto do ano de 2016 estiveram por cima da média de 1981 – 2010 sob o oeste e o sureste da Europa. As condições foram excepcionalmente cálidas sobre o oeste da Rússia, ao norte do Mar Caspio. As temperaturas estiveram também muito por cima da méda na maior parte do Continente antártico e em algumas partes do ocêano circudante. As temperaturas de agosto estiveram por cima da média enquanto a maioría das áreas terrestres e oceânicas.

As temperaturas foram inferiores da média ao longo do equador no  Oceâno Pacífico Oriental, o que indica condições fracas da Niña.  Através dos ocêanos, houve algumas outras regiões com temperaturas por debaixo da média, sob todo o Ocêano Antártico. Na terra, as condições foram relativamente frias sobre a Península Antártica, o centro da Rússia, algumas partes da Europa central e Escandinávia, alcançando também algumas regiões da América do Norte e Australia.

agosto2016_2

Anomalias da temperatura superficial do ar nos últimos 12 meses até agosto de 2016 de acordo com a média de 1981-2010. Fonte: ERA-Interim.

As temperaturas médias para o período do doze meses que finaliza em agosto de 2016 estiveram:

  • A maior por cima da média de 1981-2010 sob os mares ao este de Svalvard;
  • Superior a média sob a maiora das áreas da terra e ocêano, incluindo o Ocêano Pacífico oriental tropical associada ao evento do El Niño, que antigiu seu ponto máximo em novembro de 2015:
  • Menor que o promédio nas regiões da Antártida e os ocêano do sul, norte do Ocêano Atlántico e o ocêano Pacífico no extremo noroeste.

agosto2016_3

Anomalias mensuais da média mundial e européia da temperatura do ar na superficie relativa a 1981-2010, a partir de janeiro de 1979 a agosto de 2016. As barras das cores mais escuras indicam os valores de agosto. Fonte: ERA-Interim.

Agosto de 2016 ampliou o leque da excepcional calidez global que durou mais de um ano. A pesar de que a anomalia da temperatura global atingiu seu ponto máximo em fevereiro e diminiu de maneira constante entre março e junho, se elevou de novo em julho e agosto. A anamolia da temperatura média global para agosto foi:

• 0,62 ºC superior a média de agosto para 1981-2010;
• 0,17 ºC mais alta que o anterior valor mais alto de agosto, produzida em 2015.

Com a exceção de junho de 2016, cada mês mais quente do ano no promédio global. A temperatura para julio de 2016 foi suficientemente alta, para ser o mês mais quente registrado em termos absolutos. A pesar de que agosto de 2016 foi mais extremo que julio de 2016, o que faz ser o segundo mês mais quente da história em termos absolutos.

agosto2016_4

Promédios móveis de doze meses das anomalias das temperaturas do ar a nóvel global  e para Européia de acordoc om 1981-2010, baseados em valores mensuis desde janeiro de 1979 à agosto de 2016. As barras de cores mais escuras são os promédios para cada um dos anos civís de 1979 à 2015. Fonte: ERA-Interim.

O promédio dos  períodos de doze meses suaviza as variações do prazo mais curto. A nível mundial o período compreendido entre setembro de 2015 à agosto de 2016 é o período mais quente de doze meses da história, com 0.63ºC por cima da média de 1981-2010. O valor correspondente aos doze meses de 2015 é de 0.44ºC. O ano anterior mais quente, teve uma anomalia de temperatura de 0.35ºC

A incerteza no valor global é relativamente alta para o ano 2005, mas há o acordo entre os diferentes conjuntos de dados com respeito a:

  • A calidez expecional de 2015 e 2016;
  • A taixa global do aquecimento desde os finais de 1970;
  • O período sustentável dos valores supeiores a média de 2001 em adiante.

Existe mais variabilidade nas temperaturas médias européias, porém os valores são menos incertos porque a cobertura das observações do continente é relativamente densa. Promédios de doze meses para Europa estiveram a um nível persistentemente alto nos últimos três anos. Contudo, são inferiores aos promédios desde meados de 2006 a meados de 2007.

Maiores detalhes em:
climate.copernicus.eu

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *