A fumaça quebra um horrível recórde no Canadá e chega até a Europa

Durante mais de um mês, dezenas de grandes incêndios foram desenvolvidos na Columbia britânica. Desde o inicio de Julho de 2017, os incêndios florestais queimaram bosques coníferos pelo calor, sequía e as infestações de besouros do pino da montanha.

No começo de agosto, outro grupo de intensos fogos arderam nos Territórios do Noroeste quando uma frente fría empurrou a região com fortes ventos.

Os intensos fogos e persistentes ventos do sul, levaram quantidades extraordinárias de fumaça até o norte sobre os Territórios do Noroeste do Canadá e as provincisa de Yukon e Nunavut. Quando o sensor VIIRS n satélite Suomi NPP adquiriiu os dados da imagen anterior do 15 de agosto de 2017, uma pesada camada de fumaça se moveu encima do norte do Canadá. A imagem é um mosaico composto de vários passos do satélite, porque a área afetada é muito grande.

Uma vista com maior detalhes dos fogos próximo ao lago Athabasca (abaixo), capturada pelo satélite Aqua no dia 14 de agosto de 2017, mostra como  a fumaça que flui até o norte. Essa fumaça se uniu a outra banda de fumaças de fogos na Columbia Britânica, BC. Os fogos na BC foram tão intensos que produziram-se várias nuvens pirocumulus, que chegaram até os 13 km na atmosféra.

As penas de fumaça resultantes foram suficientemente espessas e suficientemente altas na atmosféra para quebrar um recórde.

De acordo com Colin Seftor, investigador atmosférico do Centro de Vôo Espacial Goddard da NASA, o OMPS (Ozone Mapping and Profiler Suite) de Suomi NPP registrou valores de índice de aerossol (AI) de até 49,7 no 15 de agosto de 2017, mais de 15 pontos mais alto que o récorde antior estabelecido em 2006 por incêndios na Australia.

Os valores máximos de AI também quebraram récordes no 14 de agosto (49,4) y no dia 13 de agosto (39,9). Os aerossóis são particulas sólidas ou líquidas (como fumaças, gotas marinhas e cinzas vulcanicas) que podem impedir que a luz atravesse através da atmostera. O índice de aerossois por satélite foi gerado pela primeira vez em 1978 através de medições de Nimbus-7.

“O índice de aerossol foi afetado pela espessura do aerossol e a altitude”, disse Seftor. “Os valores superioes a 6 o 7 normalmente mostram eventos de pirocumulus, que podem elevar a fumaça para cima da estratosfera, onde os ventos podem transportar-lo a milhares de quilômetros”. Outras circunstâncias, como a mistura de fumaça com as nuvens, podemos contribuir os altos valores de AI.

“Sim e quando uma pena de fumaça sobrevôa áreas populosas, podem converter o dia em noite”, adicionou Mike Fromm do Laboratório de Investigação Naval dos Estados Unidos. Existe muita presença de aerossol no ar.

“As previsões a cinco dias do Serviço de Monitoramento da Atmosfera de Copernicus mostram que se espera que grandes quantidades de fumaça se extendam até o Alto Ártico nos próximos días”, disse Mark Parrington, do Centro Europeu de Previsões Meteorológicas de Médio prazo.

Imagens da NASA Earth Observatory de Joshua Stevens, utilizando dados da OMPS de Suomi NPP proporcionados por cortesía de Colin Seftor (SSAI), com dados MODIS e VIIRS de LANCE / EOSDIS Rapid Response. Historia de Adam Voiland.

Instrumento (s):

Suomi NPP – VIIRS
Suomi NPP – OMPS
Aqua – MODIS

NASA Earth Observatory

Tuit da possível chegada das fumaças canadenses à Europa:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *